quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Faltou o PS4 no lançamento do PS4




Um grupo de doze brasileiros, entre centenas de convidados do mundo todo, embarcam no ônibus para a conferência “misteriosa” da Sony em Nova York. Caminhando ao longo do corredor para arrumar um assento, borbulham especulações: “acho que vai custar entre US$ 400 e US$ 500”, “tomara que já anunciem Metal Gear Solid: Ground Zeroes junto”, “será mesmo que vão acabar com a venda de jogos usados?”.



The Hammerstein Ballroom, na 34th Street com a 9th Avenue. Uma voz anuncia no sistema de som que a início da conferência começaria em 15 minutos, 10 minutos, 5 minutos... Até que boom: o telão se acende e uma explosão de cores, barulhos frenéticos e cortes secos de jogos, tomando toda a parede do salão. Anunciam o P, depois o S e depois mais um corte e barulho. Será que é mesmo o PlayStation 4? Todos, anestesiados, riem. Sim, é ele. Começou, o novo console da Sony é realidade. Cadê ele?



A apresentação começa conceitual. A disputa do PS4 é contra a realidade. “Imaginação é a única arma nesta guerra contra a realidade, mas para ganhar não precisamos lutar, precisamos jogar”, dizem as primeiras palavras do vídeo. Tudo muito colorido, tudo muito inovador. O primeiro a subir no palco, cercado por aplausos é Andrew House, CEO da Sony Computer Entertainment. Em outras palavras, o chefão do PlayStation. O executivo explica que o jogador sempre foi a prioridade da marca e que o objetivo do novo console é levar mobilidade e conectividade para outro patamar: a total comunicação entre o videogame, a TV, o portátil PS Vita e tablets. Jogar, não importante onde, nem quando é a prioridade desta nova geração.
Produtoras mostram prévias de jogos para o PS4Clique no link para iniciar o vídeo
Produtoras mostram prévias de jogos para o PS4


Cadê o PS4? Em tom visionário, House dá espaço para Mark Ceny, o engenheiro por trás da nova máquina dos sonhos. Tomando a frente do palco, o criador explica que, desde as ideias iniciais, a meta era não ter barreiras entre o jogador e o jogo, formando um universo totalmente conectado entre pessoas e os games.



Ceny falou também sobre a importância da opinião dos produtores de jogos na construção do console antes de apresentar o DualShock 4, o controle do PS4. A essa altura, todos que já estavam sedentos para ver a cara do videogame sossegaram um pouco. Afinal, o novo joystick tem um novo design, um pad sensível ao toque, câmeras externas que acompanham o movimento (algo como o Kinect) e o incrível botão Share, no qual toda a interação com o PSN e seus amigos conectam. Com ele, é possível compartilhar vídeos de seus progressos em qualquer jogo com apenas um toque, interagir com seus contatos (mesmo que estes estejam jogando outros jogos) e até pedir ajuda para eles. "Zilhões" de funcionalidades em um botão. Jogar sozinho em casa nunca teve tanto espectadores ao vivo.


Aplausos. Muitos aplausos. Com tudo recheado de luzes, lasers e barulhos, Ceny continuou falando sobre a separação do CPU (unidade central de processamento) e do GPU (unidade de processamento gráfico) no sistema, peça chave para mais uma inovação do console. Com praticamente dois cérebros separados, o PS4 será capaz de rodar jogos enquanto atualizações e downloads acontecem no por trás das cenas.



Cadê o PS4? Em seguida, Ceny apresentou Devid Perry, CEO da empresa de cloudgaming Gaikai. Com a parceria inédita entre as duas companhias, jogadores poderão comprar o jogo que realmente se apaixonar, já que estará disponível no PlayStation Network, via streaming, a primeira parte do game. Tudo ao vivo e na hora. Imediato, integrado e personalizado; simples e elegantes. Essa é a imagem do PlayStation 4.



Com mais de uma hora de apresentação, House, de volta ao palco, perguntou: “vocês querem ver como tudo isso funciona? Então vejam só” e começou a chamar diversos estúdios parceiros para falar de seus jogos. Mas o que todos já se perguntavam era quando, afinal, iríamos ver o PS4.Primeiro veio um vídeo com a opinião dos principais criadores de games da indústria sobre o novo console e o apoio e questionamento da Sony sobre o que esses desenvolvedores queriam ver em um novo videogame. Michael Denny, da Sony Studios, é o primeiro a subir no palco para falar de seu jogo, Killzone Shadow Fall. Mais uma explosão de cores e texturas incríveis com o demonstrativo do jogo. Na sequência, veem Hermam Hust, da Evolution Studios, falar sobre a DriveClub, um jogo de corridas “em primeira pessoa”, onde a paixão por carros e lugares belos do mundo fala mais alto; Nate Fox, da Sucker Punch Productions, apresenta mais um jogo da franqua inFamous, chamado de inFamous: Second Son; Jonatham Blow, criador independente e conhecido desenvolver por Braid, apresenta o puzzle The Witness. Jogos lindos, texturas impressionantes. Mas, cadê o PS4?
Imaginação é a única arma nesta guerra contra a realidade, mas para ganhar não precisamos lutar, precisamos jogar
vídeo de apresentação do PS4
Depois vieram David Cage, CEO da Quantics Dream e criador do mais que aguardado Beyond: Two Soul. Não para apresentar seu jogo, mas para falar sobre a missão de criar emoções para os jogadores. O executivo comparou a indústria do cinema no começo do século passado com a de games e a sua dificuldade de criação e execução, visual e sistemática. O piadista Yoshinori Ono, da Capcom, também falou da importância da chegada do PS4 para o mercado e prometeu novidade sobre sua franquia Final Fantasy para a E3, em junho.
Veja o controle Dual Shock, do novo PlayStation 4Clique no link para iniciar o vídeo
Veja o controle Dual Shock, do novo PlayStation 4


Yves guillemot, presidente da Ubisoft, mostrou o já anunciado Watch Dogs e foi o jogo mais aplaudido da noite, com jornalista de olhos em pé. Chris Metzen, da Blizzard Entertainment, anunciou Diablo III para PS4 e PS3, marcando a volta da franquia para os consoles. Eric Hirshberg, da Activision, falou sobre a parceria com a Bungie, criadora da franquia Halo, da rival Microsoft, e chamou a equipe da desenvolvedora para apresentar Destiny, que segundo eles é o primeiro “first shared shooter”.



Com quase duas horas de evento, House volta e anuncia o fim. Sem uma olhadela sequer no console em si. Sem cheiro de quanto ai custar. Isso tudo deve ficar para a E3, onde uma outra grande apresentação já deve estar sendo preparada. O PlayStation 4 chega aos Estados Unidos ainda em 2013, provavelmente perto no dias de Ação de Graças e o Natal, pronto para gerar filas e mais filas em lojas de eletrônicos.​

Fonte: http://games.terra.com.br/no-lancamento-do-ps4-faltou-o-ps4-console-deve-aparecer-na-e3,8561af98e5cfc310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...